Revista ConstruChemical - Edição 31

Revista ConstruChemical - Edição 31

REVISTA CONSTRU CHEMICAL 15 SUSTENTABILIDADE Cerca de 50% dos resíduos sólidos são gerados pela indústria de construção INCORPORADORAPRETENDEREDUZIRPELOMENOS20%DESSESRESÍDUOS Por muito tempo as incorporadoras estavam preocupadas apenas com o número de construções, lançamentos e vendas no mercado imobiliário, porém, com a disseminação de assun- tos ambientais, cada vez mais as empresas são direcionadas a recriarem os formatos de construir, e é isso o que a incorpora- dora Cappini faz com seus projetos. A indústria da construção é uma das mais importantes para o crescimento e desenvolvimento do país. Segundo dados da pesquisa realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), ela é responsável por 2,47 milhões de empregos diretos e indiretos no Brasil. Mesmo que as iniciativas ambientais sejam cada vez mais frequentes, o Conselho Internacional da Construção (CIB) aponta a indústria da construção como o setor de atividades humanas que mais consome recursos naturais e utiliza ener- gia de forma intensiva. Além dos efeitos de matéria e energia, ainda é gerado um alto número de resíduos sólidos, líquidos e gasosos. Estima-se que mais de 50% dos resíduos sólidos gera- dos pelo conjunto de atividades humanas sejam provenientes da construção. Por isso este é um desafio para as incorporadoras: melho- rar o meio ambiente pode levar anos, mas repensar o modo de construir é um assunto essencial. “É muito importante o que a Cappini está fazendo com as questões de sustentabilidade. De- vemos dar exemplo e inspirar novas incorporadoras a fazerem o mesmo, já que nos preocupamos em causar menos impacto e prezar o bem das gerações futuras”, comenta o gerente de sus- tentabilidade da incorporadora Cappini, Marcos Reis. De acordo com o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil publicado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) em 2014, a construção civil é responsável por gerar 122.262 toneladas de resíduos por dia. É esse o cenário que os fundadores da incorporado- ra Cappini Negócios Inteligentes pretendem mudar através de processos de construção civil sustentável em todo o ciclo do empreendimento. Entre os principais objetivos de levar a sustentabilidade para a indústria da construção um deles é respeitar os recursos naturais e, principalmente, o ser humano e suas futuras gerações. “Nossa missão é desenvolver cidades inteligentes e conectadas, mas sem deixar a sustentabilidade de lado. Temos um compromisso de reduzir em cerca de 20% os resíduos sólidos na construção. Além disso, estamos avaliando a implantação de recursos sustentáveis que possam reduzir os gastos condominiais ao longo da vida útil do empreendimento”, afirma o CEO da Cappini Incor- porações e Negócios Inteligentes, Raphael Grigoletto. O PROJETO O projeto da Cappini é mais que um apartamento; a incorporadora propõe um novo conceito de imóvel. Um modelo que já é muito comercializado em São Paulo, o imóvel compacto de alto padrão, propor- cionando a compra de unidades exclusivas, com aca- bamentos diferenciados e a praticidade de unir qua- lidade a pequenos espaços, deixando o dia a dia do morador muito mais dinâmico. A intenção da empresa é oferecer à cidade de Uber- lândia o primeiro empreendimento com conceitos de sustentabilidade, personalização, conectividade e exclusividade, aliados a tecnologias que tornarão o empreendimento referência na cidade, como ser o primeiro prédio vertical a utilizar energia solar para as áreas comuns.

RkJQdWJsaXNoZXIy MTY1MzM=